Hedonismo e estoicismo



gestão / prevenção / conservação / manutenção








Histórias e Gente de Valor

etica
Reflexões

07/03/2006 - Hedonismo e estoicismo

Por Engenheiro Heitor Reis

Alterar tamanho da fonte: A+ | a-
O estoicismo é, basicamente, a renúncia aos, superação dos ou controle sobre os prazeres mais mundanos, o que propiciaria o alcance da virtude. 
Seus adversários defendiam o hedonismo, que tem o deleite como alvo na vida. São ambos filosofias antigas, criadas por gregos que praticavam o tal do ócio abstratamente criativo, enquanto 90 % da população praticavam o escravagismo concretamente produtivo, permitindo aos seus senhores estas façanhas intelectivas. 
 
Diletantismo... 
Junto com o planejamento, previdência, disciplina, respeito à ordem estabelecida, firme convicção de suas possibilidades de auto-realização, etc. (ou seus opostos), estas filosofias antigas estão detrás da questão religiosa e promovem mais (ou menos) desenvolvimento individual e coletivo.
Qualquer povo que for educado mais que outro para estudar, levar uma vida frugal e parcimoniosa, trabalhar em equipe, participar de associações, ter elevada auto-estima (independente das circunstâncias desafiadoras), convicções inabaláveis, etc., colherá resultados análogos. Os tigres asiáticos oferecem esta reflexão fora do campo católico e protestante.
Contudo, desconheço outra organização com tamanha penetração junto às massas, além das igrejas, e que seja capaz de semelhante influência ou, até mesmo, determinação do comportamento humano. Tanto para o bem, quanto para o mal... Mas hoje há uma redução gradativa desta influência, a qual ainda é dominante, graças ao estado de miséria e ignorância em que a maioria da população é mantida pelos cidadãos de primeira classe, como ocorria na Grécia antiga, quando os das classes inferiores eram conhecidos como escravos.
Ou seja, a igreja acaba sendo a única escola "filosófica" disponível para muitos... Quando não, a única com uma linguagem ritual, emocional e sentimental, a qual é compatível com a estrutura psíquica dos menos favorecidos pela sorte. Mesmo assim, há uma razoável minoria de pessoas de posses e bem dotadas intelectualmente que são também adeptas militantes de vários credos religiosos.
Você já viu algum filósofo batendo de porta em porta, levando a doutrina de Sócrates, Platão, Friedrich Nietsche ou Bertrand Russell para salvação das mentes faveladas desta vida, tentando, desesperadamente, impedir que sejam dominadas pela ignorância religiosa?

Pois é... Quem faz tal loucura são os outros, temerosos de que as almas de seus semelhantes queimem eternamente no inferno.
Imagine quem tem mais adeptos: Os religiosos ou céticos, ateus e agnósticos? Fazer discípulos exige muita reflexão e ação incomensurável. Empatia ou amor também é fundamental... Claro que, como qualquer atividade humana, esta pode ser desenvolvida como um negócio rendoso apenas.
É muito mais fácil ficar discutindo eternamente, em circulos elegantemente elitistas e eruditos, criticando polida ou agressivamente a ignorância alheia, enquanto nossa vã filosofia é incapaz de sondar os inúmeros mistérios que William Shakespeare classicamente percebia como existentes entre o céu e a Terra.
Você conhece uma única organização filosófica que tenha por objetivo resgatar a escória humana das mãos dos fanáticos religiosos e trazê-la à luz da sabedoria intelectual? Se conhecer, avise-me, que é novidade para mim...
Talvez somente o Estado fosse capaz de influenciar tanto assim as vidas das pessoas... Mas, infelizmente, ele usa apenas uma parcela mínima desta posição privilegiada para formar seres humanos melhores, em termos de consciência ética ou moral, o que é refletido finalmente, numa nação deficiente, que possui condição de desenvolvimento humano inferior à outras setenta e duas, apesar de ser uma das maiores economias do planeta.
Nosso ex-Presidente da República, apesar de sociólogo, vetou projeto de lei que visava colocar a filosofia e a sociologia como disciplinas obrigatórias nas escolas.
Como teremos pessoas mais cultas, fazendo perguntas inteligentes ao candidato Ciro Gomes, evitando assim, que ele as chame de burras ou de deficiente cognitivo (como sugeriu o jornalista Cláudio Humberto)? Como teremos candidatos mais preparados para corrigir os incautos, já que este o fez de forma errada? Ou seja, o burro estava certo e Ciro Gomes posou de jegue, para deleite de seus adversários e dos espectadores do espetáculo circense que ocorre nas vésperas eleitorais. 
A Suiça tem presidente mesmo!
Enquanto isto, a próxima geração terá como padrão de referência os formadores de opinião do tipo Carla Perez, Faustão, Gugu, Sílvio Santos, Xuxa, Sérgio Malandro, Belo, Ratinho, Leão e outros bichos. Deus nos acuda!
Por que a TV não pode ser usada para formação do caráter de nossas crianças ou invés de deformá-las? Encontramos assim uma outra escola "filosófica" de inegável poder de penetração junto às mentes carentes de substância.
E, tem gente que se orgulha de ser brasileiro, por acreditar que seremos capazes de sair deste abismo em que nossa elite nos trouxe.
Torço para que eu esteja errado... Especialmente porque a minoria que ainda é capaz de pensar por si mesma, toma uma atitude emocional diante dos problemas, cuidando que seus sentimentos patrióticos devem guiá-las acima dos dados econômicos e sociais que nos afrontam.
Aécio Neves, em sua campanha para governador de Minas Gerais, declarou,  dia 25/08/2002, em entrevista à uma emissora de TV de Belo Horizonte, que a criminalidade aqui cresceu 300 % em quatro anos. Somente isto já demonstra o porte de nosso desafio e abala nossa segurança de que somos capazes de superá-lo após as deliciosas promessas eleitorais.
Enquanto a religião cada vez mais deteriora-se no hedonismo, o Estado recusa-se ensinar estudantes a pensar no sentido mais profundo do termo. 

Os pais abdicam de educar seus filhos e a propaganda das ONG antidrogas torna-se mais uma profecia implacável: "Seja pai ou mãe de seu filho antes que um traficante o adote." 
Para completar, a TV hipnotiza nossas crianças e, cada vez mais cedo as erotiza, brutaliza e transforma em mero agentes da produção e do consumo de futilidades, escravizando suas mentes e as oferecendo em holocausto no altar do deus mercado, Mamon ou Plutão.

Enquanto isto, os traficantes estão adotando bairros inteiros, não é? As feiras de drogas ao ar livre, com direito a desfile dos soldados do pó, fortemente equipados. Os bandidos tem mais autoridade que a polícia. Ou será que já adotaram o Estado plenamente, com a polícia e a justiça sendo apenas uma das ramificações da quadrilha? Um juiz do TRE do Acre defende que lá, seus pares estão comprometidos... Espero que ele possua uma equipe da "Swat" como proteção. Se não, vai virar bisteca "a la moto-serra". (Nada a ver com o candidato do PSDB...) Ou será incinerado no micro-ondas local.
Afinal, um Estado desorganizado é prato feito para o crime organizado. E, um Estado desorganizado é fruto de eleitores idem.
É aqui que você pode fazer a grande diferença... Quero dizer, se a urna eletrônica não desviar seu voto. "Sorry!"

Heitor Reis:

engenheiro civil, é articulista e palestrante da Federação das Associações de Imprensa do Brasil (Fenai/Faibra). www.HeitorReis.fr.fm - www.fenai.org.br - www.reforme.com.br/kitnet - heitor@fr.fm - 07/03/2006, 02:00 h. Carteira de identidade M-5326 SSP-MG, residente à Rua Bolívar, 467 - União - Belo Horizonte - MG - 31.170-670 - Fone (31) 3486 9337 e 9129 2249. Esquerdos Autorais ("copyleft"). Nenhum direito autoral reservado. Use e abuse!
 
 
 
Comente este artigo:
* Nome:
E-mail:
Publicar E-mail:Sim   Nao   
* Comentário:
O que está escrito na imagem ?
 

Política e Responsabilidade Social

Copyright © 2018 CMQV - Câmara Multidisciplinar de Qualidade de Vida. Todos os direitos reservados.
Website desenvolvido com tecnologia Super Modular