Desespero:logo depois de transar sem camisinha...


Seminário, cursos e eventos





gestão / prevenção / conservação / manutenção









Histórias e Gente de Valor

Reflexões

10/11/2007 - Desespero:logo depois de transar sem camisinha...

Por enviado por Dr. Claudio grupo ESMTH

Alterar tamanho da fonte: A+ | a-

Desespero:logo depois de transar sem camisinha com um garoto, você descobre que ele tem Aids

A situação é desesperadora:

Qual seria sua reação nesse caso?

Luana*, de 21 anos, fez o impossível para achar a luz no fim do túnel. 


A universitária Luana, paulistana de 21 anos, viveu um drama digno de cinema: cedeu à pressão de um garoto que queria transar sem camisinha e no mesmo dia descobriu que ele tinha Aids. "Sabe aquele garoto lindo, alto, forte, que todo mundo paga pau na faculdade? Era ele.
Passei meses trocando olhares e investindo para ver se conseguia alguma coisa... Até que ele resolveu me dar bola", contou a estudante.

Luana achava que estava apaixonada. Eles começaram a sair e, em menos de um mês ele a convidou para ir a sua casa. Ela aceitou sem
titubear, não via a hora de ficar a sós com ele: "Eu estava já esperando por aquele momento, sabia que ia rolar. No dia, me arrumei toda e estava superempolgada. Tinha certeza que ia ser uma das melhores noites da minha vida".

Quase todas as expectativas de Luana foram correspondidas. Quase. "Na hora H eu perguntei se ele tinha camisinha. Eu não tinha levado, não queria que parecesse que eu estava indo lá para isso. Achei que se eu levasse camisinha ia ficar na cara e eu ia pagar de oferecida" , revelou a garota.
O rapaz disse que não tinha preservativos e insistiu para Luana transar sem camisinha. Como ela tomava anticoncepcional e estava com medo de queimar o filme com o garoto, cedeu à pressão: "Eu tomava pílula. E nunca pensei que aquele ´deus grego´ fosse ter alguma doença. Ele me parecia o cara mais perfeito do mundo" . Luana saiu da casa do garoto às 2h da manhã. Assim que chegou a sua casa, por volta das 3h, recebeu uma ligação dele: "Ele só chorava e me pedia desculpas. Eu perguntei o que estava acontecendo, pedi para ele ficar calmo e tal. Foi aí que ele me falou que era soropositivo. No início eu achei que era brincadeira. Mas ele continuou chorando, dizendo que estava arrependido e que não conseguiu evitar aquilo. Eu desliguei o telefone atônita".
Luana passou a noite em claro, desesperada. "Depois de ter pensado em tudo, até em suicídio, eu me lembrei de uma coisa que eu tinha lido em uma revista. Era um coquetel que mulheres que eram estupradas tomavam logo após o contato com o vírus para diminuir o risco de contrair HIV. Logo de manhã já liguei para saber onde isso era possível e me informaram o endereço. Antes da 8h eu estava lá", contou.
Ao chegar ao hospital, ela apresentou seus documentos e teve que contar com a sorte para receber as drogas, já que o SUS não pode fornecer a medicação para pessoas com casos como o dela. "Eu não tinha sido estuprada e nem me picado com sangue de um soropositivo. Eles não tinham por que me dar o coquetel, era contra as regras" . Depois de explicar seu caso para vários enfermeiros, que acharam a situação um absurdo, Luana foi encaminhada para uma consulta com um médico, pela qual teve que esperar cerca de 4 horas.
"Enquanto eu esperava, a toda hora entravam e saíam pacientes com Aids que têm que ir até lá pegar os remédios do coquetel. Alguns pareciam normais, outros eram tão magros, tão fracos, com o rosto tão chupado... Comecei a ficar mais desesperada ainda. Não queria ficar daquele jeito, preferia morrer. Teve uma hora em que eu não me segurei e comecei a chorar muito. Uma mulher que entrava na sala veio até mim, me abraçou e disse para eu não ter medo, a doença não tinha cura, mas o tratamento me deixaria levar uma vida normal. Foi a primeira pessoa que falou comigo como se já fosse certo que eu tinha Aids, foi a pior sensação que eu já tive" , revelou a estudante .
Ao se consultar com o médico, Luana contou sua história com detalhes. Ela se encaixava agora no chamado Grupo vulnerável. "O médico disse que não podia me dar os remédios. Falou que eles nem tinham comprovado a eficácia deles quando o contato era com esperma. As drogas só tinham um resultado certo quando o contato havia sido com sangue infectado, tipo quando médicos se picam com agulhas usadas em pacientes".
Luana não conteve o choro quando o médico negou as drogas: "Eu perguntei para ele se ele queria arruinar a minha vida. Eu estava chorando muito. Acho que ele se comoveu e resolveu me dar, mas disse que era segredo".
Enfim, ela conseguiu o remédio. Apesar de mais aliviada, se assustou com a quantidade de pílulas e com os possíveis efeitos colaterais. Luana tinha que tomar cinco comprimidos por dia, durante trinta dias. "Nos primeiros quinze dias eu estava me achando de ferro, não sentia nenhum mal estar. Depois comecei a sentir dores absurdas no estômago e a vomitar todos os dias. Não tinha mais fome, tinha azia o tempo todo e não conseguia dormir de tanta dor. Mas não desisti do tratamento. O médico disse que quando eu vomitasse o remédio, tinha que tomar de novo. Fiz isso várias vezes", disse Luana.
No meio do tratamento, os pais de Luana descobriram o que havia acontecido. "Minha mãe mexeu na minha bolsa e achou os comprimidos e a receita. Ela chorava desesperadamente. Veio me perguntar o que estava acontecendo. Meu pai surtou. Eles tinham certeza de que eu estava com Aids e estava escondendo. No susto, quase me expulsaram de casa. Ficaram uns três meses sem falar comigo. Isso foi uma das coisas que me deixou mais triste. Acho que se não conseguisse me livrar do vírus, ia acabar cometendo o suicídio, sem brincadeira".
Luana terminou o tratamento e não voltou ao hospital, como o médico havia recomendado. "Lá eu não piso nunca mais, é o lugar mais deprê que conheci na minha vida. Preferi não voltar, não ia agüentar", contou a estudante, que deveria continuar se consultando, mas não teve coragem.
Depois que terminou o tratamento, ela fez o teste de HIV em um laboratório particular e o resultado foi negativo. "Fiz várias vezes de novo depois para ter certeza. Tive sorte. Foi a pior experiência da minha vida, me envergonho de contar. É ridículo alguém ter que passar por isso para aprender a se proteger. Nada substitui a camisinha".
Luana nunca mais teve notícias do garoto com quem saiu naquela noite. "Ele mudou o celular e saiu da faculdade. No começo eu fiquei com raiva dele, pois sei que ele agiu de má fé. Mas depois a minha raiva maior era de mim mesma. O corpo é meu, quem deve zelar por ele sou eu. Se eu não quisesse transar sem camisinha, o que é o certo, nada disso teria acontecido. A culpa foi minha, que permiti aquilo", finalizou a garota.
Coquetel é usado em situações de risco
Tomar o coquetel usado no tratamento da Aids, em casos de suspeita de contaminação pelo vírus, é possível, mas apenas em duas situações: em casos de estupro ou quando há risco de ter havido contágio acidental dentro de um hospital, entre os profissionais de saúde. O caso de Luana foi estranhamente fora do comum.
Foi desenvolvida essa estratégia, como uma forma de tentar livrar do contágio as pessoas expostas a situações de risco. Ao ser confirmado o risco, essas pessoas ficam tomando diariamente o coquetel (formado por inibidores de protease e por AZT), por cerca de trinta dias, como se elas já tivessem a confirmação de que são soropositivas.
"A Secretaria de Saúde libera a medicação, mediante a prova de que a pessoa foi vítima em uma dessas duas situações. As pessoas não podem achar que, na dúvida, qualquer um pode tomar o coquetel", explica o Dr. Paulo Olzon Monteiro da Silva, infectologista e chefe da disciplina de Clínica Médica da Unifesp. "É um tratamento tóxico e não é garantido que vai livrar a pessoa da Aids", completa.
O infectologista lembra, ainda, que a existência do coquetel e a evolução no tratamento não podem ser motivos para que as pessoas deixem de se prevenir. "A Aids limita a vida das pessoas", justifica.
O nome da personagem foi trocado para proteger sua identidade e
o nome do hospital foi omitido para a segurança dela.

 
Comente este artigo:
* Nome:
E-mail:
Publicar E-mail:Sim   Nao   
* Comentário:
O que está escrito na imagem ?
 

Histórias e Gente de Valor

Copyright © 2014 CMQV - Câmara Multidisciplinar de Qualidade de Vida. Todos os direitos reservados.
Website desenvolvido com tecnologia Super Modular